26 outubro, 2009

Explosão

Minha escrita é uma luta veemente contra a insanidade (acho tão bonito isso de ser insano, o que me falta é coragem). É uma batalha perdida porque sei que no fim vou acabar de uma forma ou de outra não me ajustando. Minha fuga é do imaginário, é desse ser fantástico que tenho medo, a realidade é tão puramente linda que tento me agarrar a ela. Bobagem isso de dizer que a razão domina, mentir pra quem afinal? Eu gosto de ver as regras serem quebradas, eu gosto de pessoas inusitadas, eu gosto do que é surpreendente. Imprudência e um pouco de explosão.
Ana Fenner

Constatação

Uma saudade rebuscada de um presente ainda vivo. A chuva mansa que lava as calçadas não leva nada do que é permanente, apenas encharca os olhos da pequena. Se o mundo é doce ilusão, a vida não passa de brincadeira de criança. O que absorve e traga é a solidão de dias quentes, é esta esperança assombrada que nos assalta em meio à madrugada. Vivemos a espera do pequeno grande milagre e ele nos escapa como areia por entre os dedos, o que fica são vestígios de sonhos que a nossa realidade reflete de maneira turva. Entretanto a felicidade é estado de espírito que vai e volta, suave como estas palavras lançadas ao vento.
Ana Fenner

16 outubro, 2009

Thinking About You

Tradução da música Thinking About You, que chegou na minha caixa de e-mail em 07 de Abril de 2006. Hoje revirando minha caixa postal encontrei, achei linda e esta ai:

Pensando em você
Ontem eu vi o sol brilhando
E as folhas estavam
caindo suavemente
Minhas mãos frias precisavam de um morno, morno toque
E eu estava pensando em você

Aqui estou eu, procurando por sinais de partida
Você segura minha
mão, mas você realmente precisa de mim?
Acho que está na hora de eu deixar você ir

Mas eu estive pensando em você
Estive pensando em você

E quando você navega através das águas oceânicas
E alcança o outro
lado seguro
Oh, você poderia sorrir um pouco pra mim?

Porque eu estive pensando em você
Estive pensando em você

15 outubro, 2009

Brincadeira 'sem graça'!

Vida mais poética essa do sambista que vive na boêmia e vez ou outra se toma de nostalgia.

" Brincando de nostalgia em meio a madrugadas...
a vida é bem maior que nós,
com todas as nossas tentativas de entendimento, com toda a nossa agressividade
cotidiana, com toda a nossa alegria febril, com todas as nossas tempestades e
todos os nossos copos d’ água. A vida é bem maior que nós, com todo a nossa
fúria de ocasião, com todo o nosso desespero momentâneo, com toda a nossa
solidão etérea, com toda a nossa capacidade ou incapacidade de estender a mão.

Fúria de ocasião...fúrias em ocasião!
Talvez seja melhor pensar no agora,
permitindo quem sabe, que em outrora,
dias assim se façam por mim,
e que dias assim se façam ter fim.
Brincadeira 'sem graça'! "

Texto by Kerley Jeronimo escrito em 10/07/09 ás 04'30", que eu peguei emprestado com devida autorização.

06 outubro, 2009

Desaguar

A moça ali no meio da rua a gritar impropérios, a moça ali dançando de baixo da chuva não parava de gritar. Era um grito mudo, silenciado pela cadência de seus passos. Se ela ri e chora assim, há de ser a alma e ai nesse caso não há doutor que dê jeito. A tal da menina tinha medo da loucura e na ironia do cotidiano nem viu que a insensatez é a rota de quem sente. Alguém passa por ela não a vê,um outro observa e não compreende.
E quem é que entende uma dor assim? 
Ana Fenner

05 outubro, 2009

Felicidade


O vento brinca de bagunçar meu cabelo e há flores em tudo o que vejo. Esse desejo de experimentar o mundo, de tomá-lo em minhas mãos e me tornar dona do meu destino. Eu posso correr léguas meu bem porque aprendi a seguir sozinha, eu criei meia asa e com ela já posso alcançar vôos surpreendentes. Eu vou seguir a primeira estrela que avistar e pode apostar eu vou acabar chegando lá. O deserto tem sua beleza única e rara e não há mais o menor receio de me aventurar por ele, porque os mananciais existem e a vida é cheia de possibilidades.
Ana Fenner

Enfrentamento

"Talvez com o passar dos anos a gente fique prudente e admita as renúncias. Talvez tenha experiência de haver saído ileso de outras dores."

Trecho do livro: Os passageiros do Jardim, de Silvina Bullrich. O livro é um exemplar amarelado que guardo junto aos tantos romances que me comovem por um ou outro motivo. Como estão amareladas algumas lembranças minhas, mas hoje estou de um otimismo bárbaro. E as páginas amareladas de minha vida são agora apenas aprendizado.

04 outubro, 2009

Impaciência

Paciência a zero, coração a mil. Os olhos secos, a alma encharcada. O que é velho permanece, a novidade esta ultrapassada. O menino que faz malabares encontra-se maltrapilho, o bem vestido é o bandido. Faz-se do lixo arte e do luxo pecado. Tem gente pra julgar, tem quem se faça de vítima. O mundo anda direito, o ser humano ao avesso. Tem copo cheio em toda festa e mente vazia em cada esquina. Tem chato pra tudo e é certo que pra tudo tem chato. O moralista em casa que se deprava na rua, os loucos de bom coração. Tem pessimista achando que agora a coisa vai dar certo, tem domingo cinza e eu aqui acreditando nessa merda toda.
Ana Fenner

03 outubro, 2009

Amor Meu

Se falo de amor é porque me perco e me reconheço nesse aconchego. Se fujo as regras, se me perco e me reconheço é por esse vício de amar. O meu amor não é fácil, meu amor nunca foi os de revista, meu amor é literatura de José Saramago e seus textos sem parágrafos, suas rebeliões e intensidades. Minha paixão é verso de Florbela Espanca: denso, platônico e eternamente insatisfeito. Amor não é gratidão e tão pouco exige retidão. Falo do amor meu porque só dele tomo conhecimento, dos outros apenas desconfio. 
Ana Fenner

02 outubro, 2009

video

Meu irmão me ligou me dando a notícia em primeira mão e eu imediatamente me tomei de amores. Amei seu riso antes mesmo de conhecê-lo, desejei poder carregar antes mesmo da sua chegada a este mundo, amei desde o primeiro instante. Minha pequena e linda Marcelly.